• RSS

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Shhh...

Mundo paradoxo onde somos obrigados a nos transformar em pessoas criadas a partir de expectativas, porém, ao mesmo tempo, devemos ser desprendidos de opiniões alheias sobre como devemos ser. Por isso, hoje, me deixe sozinha em meu silêncio. Deixe que eu esvazie-me de todos os pensamentos até sobrar somente a essência, e dela, reconstruir importantes pedaços de mim deixados de lado com o intuito de adaptar-me a um modelo pré disposto.

Apenas deixe-me. Deixe-me sozinha em meu silêncio.

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Somente um dia

Somente um dia é necessário para transformar o pensamento, as atitudes e, definitivamente, mudar o rumo da vida. Finalmente o tão aguardado chegara para limpar as nuvens que ameaçavam tempestades de dúvidas e incertezas.

Neste dia fatídico as barreiras colocadas a partir de teses mirabolantes criadas em nossa mente são derrubadas, pois são somente lixo cerebral e só tem a serventia de nos limitar. Mas para atingir esse resultado devemos curar o pensamento. Ele é a primeiro estágio, o nosso guia diário e nos faz escolher desde o que tomaremos no café da manhã até o nosso destino, como também se este é mais um ou o melhor dia de nossas vidas.

Em um segundo momento, aja. De que adianta o pensamento livre em um corpo estagnado? Ande, caminhe corra, voe! Aproveite uma mente cheia de espaços vazios, antes impregnados pelas barreiras, e a ocupemos com pretensões e vontades. Certeza de que elas lhe darão força para se movimentar. Afinal, para as coisas boas virem, devemos procurá-las primeiramente. Partir, apesar das dificuldades, por que estas são inevitáveis, porém, não devem ser as protagonistas de nossa historia.

Por último, a parte mais fácil da trilogia. Sem que nos esforcemos muito, a mente e o corpo começam a se mesclar. Unidos pelo mesmo objetivo criam caminhos e uma infinidade de destinos. A felicidade, a tranquilidade e a certeza estão em todos eles, independente de qual seja a escolha. Agora é a vez da vida, por si só, nos dar aquele empurrãozinho o lugar onde nos sentimos a vontade para criar, sentir e ser.

por Venes Caetano

sexta-feira, 5 de julho de 2013

Impulso

Dia desses, assistindo televisão como de costume, ouvi uma personalidade da mídia afirmando que para alcançar o sucesso precisou dar uns passos para trás na vida para que pudesse alcançar o sucesso. Imediatamente me identifiquei e soltei uma de minhas pérolas inconscientes: "Estou é cansada de andar de ré!"

Naquele momento parei, me ouvi e caí na risada! Sim, rir da nossa desgraça também é construtivo. Parei repentinamente e tive uma conclusão ainda mais genial que o resumo feito da minha vida. "Tomara que minha vida seja tipo daqueles carrinhos de tração de criança, pois quando ela resolver andar para frente, que suba até parede!"

Isso pode soar negativo para alguns, mais depois de um moonwalker extenso foi somente o bom e velho humor negro que restou. Deve ser meu otimismo tentando sobreviver com alguns suspiros de alegria... Agora, tomara mesmo, que tanta ré me impulsione o mais rápido possível para frente, pois estou bastante cansada "fazer o Michael".

terça-feira, 18 de junho de 2013

Do contra

Mesmo com um resquício de teimosia na minha personalidade, não sou contrária a quem não concorda comigo em alguns pontos. Até tolero coisas julgadas por mim como imbecilidade para não exaltar os ânimos, pois chegar a um ponto comum demoraria décadas e não tenho todo esse tempo disponível, infelizmente. Porém, sou completamente contra quem é avesso a, pelo menos apoiar, pessoas que lutam por um bem comum de milhões.

Tenho a impressão de que as conquistas pessoais de algumas pessoas afetam diretamente a opinião delas sobre questões sociais. Interessante porque as mudanças que beneficiariam a grande massa,consequentemente também ajudariam estes seres desprendidos. A posição social que conquistaram, ou almejam, as fazem esquecer que são parte do povo, que também pagam impostos abusivos e que lhes são oprimidos os direitos como educação, saúde e transporte de qualidade. Afinal, um país evoluído é onde o rico faz uso do que é público. Mas acredito que essa separação se deve ao fato de se auto alienarem com seus carros nacionais na garagem, com as viagens anuais com a família e a garantia de um emprego público.

Não, nada disso é fácil de ser conquistado. É preciso muito estudo para conseguir um emprego, planejar bastante para financiar um carro em anos e pagar as passagens em dez vezes no cartão de crédito. Parece que as preocupações com essas questões tão essenciais bloqueiam o cérebro. Fazem com que não enxerguem que os planos de saúde caríssimos que pagam demoram mais de três meses para se conseguir uma consulta ou dias para liberarem uma operação de emergência. Além disso, não estão sabendo que caso o preço do transporte regrida, haverá o aumento da gasolina de forma abusiva. Sem contar que para quem tem condições de pagar os valores das passagens e estadia, viajar para Cancún está bem mais fácil do que conhecer a Bahia, que é aqui do lado.

Acorda, Classe Média! Pare de sofrer. O povo somos todos. Todas as cores, todos os bolsos, todas as crenças. Se apoiar a luta por todos, acredito que sua vidinha também será facilitada. Por isso, não critique. Não passe essa vergonha de se anular e rir de uma coisa que também muito te afeta. É ridículo.



*Este não é um texto generalizador, mas se serviu para você...

Esperança do tempo

A vida está cheia. Cheia de espaços em branco que a inutilidade ocupa e não nos permite preencher. O tempo mau gasto. As ideias desperdiçadas. Tudo questão de prioridades mau listadas.

Fala-se tanto em viver o agora. É praticamente um lema da juventude moderna. Porém, impossível quando os compromissos com a responsabilidade tomam todo nosso tempo.

Justamente enquanto  idealizamos um futuro perfeito milimetricamente planejado, a vida passa. Somos obrigados a deixar os sonhos momentaneamente de lado e nos condicionamos a acreditar que um dia os realizaremos.

A conquista deve ser maravilhosa, acredito. Espero. Os desorientados, em meio a afazeres nulos diários, não perceberão que a bendita ficou para trás. Em breve, estes irão se arrepender de terem deixado de viver.

Sobreviver, somente por enquanto. Não para sempre. Vivamos, aproveitemos, preenchamos nosso dia! Pelo menos, tentemos.

por Fábio Moon e Gabriel Bá